top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

STJ noticia que CNJ aprova norma para orientar reconhecimento de suspeitos

CNJ aprova norma para orientar reconhecimento de suspeitos e evitar condenação de inocentes

O Superior Tribunal de Justiça informa que, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou uma resolução que estabelece diretrizes para o reconhecimento de suspeitos em processos criminais, com o objetivo de evitar condenações injustas decorrentes de erros no procedimento.

Na Comunidade de Elite, as respostas de muitas dúvidas e inquietações de advogados criminalistas iniciantes passa a ser acessível e possível, de forma clara e rápida. O associado possui acesso a uma área exclusiva e intuitiva, com vários cursos divididos por módulos, temas e aulas, tornando fácil encontrar a resposta para dúvidas corriqueiras e também para as mais complexas. Faça Parte da nossa comunidade CRIMINALISTAS DE ELITE E Transforme A Sua Advocacia Em Menos De Seis Meses!

Associe-se ao Instituto Direito Penal Brasileiro, receba vários benefícios e tenha Acesso por um ano a Todos os Cursos

Nova Resolução do CNJ sobre reconhecimento de suspeitos

A resolução é fruto dos estudos de um grupo de trabalho criado pelo CNJ, em 2021, o qual teve a coordenação do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogerio Schietti Cruz. 

Ao apresentar a proposta de resolução formulada pelo grupo de trabalho, a presidente do CNJ, ministra Rosa Weber, disse que o conselho “dá um passo histórico na evolução do padrão de confiabilidade da prova de reconhecimento”, ao orientar uma forma justa e racional de realização do procedimento.

O corregedor nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão, elogiou os estudos do grupo de trabalho, que englobaram desde o diagnóstico das falhas de reconhecimento até o uso cada vez mais frequente de ferramentas tecnológicas nesse procedimento. 

Segundo o ministro Schietti, a complexidade e a importância do tema demandam um olhar atento do Judiciário.

“Buscamos soluções pragmáticas, alcançáveis a partir de cuidados e protocolos de atuação até o momento não praticados sistematicamente no Brasil”, comentou. 

Critérios objetivos a serem seguidos 

De acordo com a resolução aprovada, a pessoa que vai passar pelo reconhecimento tem direito a constituir defesa para acompanhar o procedimento, que deverá ser feito, de preferência, com a colocação do suspeito entre outras pessoas alinhadas. Somente quando esse método não for possível é que poderão ser usadas fotografias.

A resolução disciplina de forma clara e direta o processo a ser seguido no reconhecimento, com cinco etapas. Detalhes sobre os estudos do grupo de trabalho e a resolução proposta podem ser conferidos no relatório final aprovado pelo CNJ

Uma novidade importante sugerida no relatório é a necessidade de gravação do procedimento e a disponibilização do arquivo para as partes, possibilitando uma análise técnica e cuidadosa a fim de se evitarem erros de reconhecimento. 

No relatório consolidado pelo ministro Rogerio Schietti, o grupo de trabalho analisou diversos casos internacionais que indicam inconsistências no processo de reconhecimento. Em um deles, uma ONG constatou que, nos Estados Unidos, em 70% das condenações injustas revertidas por exame de DNA o problema foi o reconhecimento equivocado do criminoso. No Brasil, um estudo da Defensoria Pública do Rio de Janeiro apontou índices aproximados.

Fonte: STJ

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page