top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

Crime de maus-tratos aos animais – MP do Paraná denunciou mulher que mantinha 300 animais

Crimes de maus-tratos aos animais – MP do Paraná denunciou mulher que mantinha 300 animais

A notícia é divulgada pelo site do MP/PR e diz que, o Ministério Público do Paraná denunciou por maus-tratos uma mulher que mantinha aproximadamente 300 animais, entre cães e gatos, em condições insalubres de higiene e alimentação em dois endereços em Curitiba, nos bairros São Lourenço e Alto da XV. A denunciada tornou-se ré no processo a partir do recebimento da denúncia pela Justiça nesta segunda-feira, 30 de janeiro. Leia mais abaixo:

Curso de Prática na Advocacia Criminal te ensina desde os aspectos mais básicos como o atendimento ao cliente, até as atuações mais complexas como a sustentação oral. E ele está com uma condição imperdível! Para ter acesso vitalício ao curso CLIQUE AQUI e ao fazer sua matrícula, escolha o acesso vitalício – ao invés de 1 ano de acesso, você poderá acessar enquanto o curso existir!

Comunidade Criminalistas de Elite – (CLIQUE AQUITenha acesso aos Cursos de Prática na Advocacia Criminal, Curso Completo de Direito Penal, Curso de Leis Penais Especiais, Curso de Marketing Jurídico, Prática na Jurisprudência Criminal, além de acessar todas as aulas ao vivo, podcasts e integrar um grupo de whatsapp com interação entre advogados de todo o Brasil.

Crime de maus-tratos aos animais

De acordo com a ação penal proposta,

“a denunciada mantinha os animais em situação deplorável de higiene, saúde e alimentação há tempo considerável e, em continuidade delitiva, promovia o recolhimento de novos animais, mesmo ciente da situação precária em que os mantinha, bem como recusou, por diversas vezes, o auxílio de órgãos públicos e entidades da sociedade civil para realizar a doação dos animais ou levá-los para outros locais”.

A apuração sobre os fatos, que contou com vistorias de zootecnistas e médicos veterinários da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, demonstrou que os animais estavam demasiadamente magros, alguns em estado de caquexia (perda de tecido adiposo e músculo ósseo), e viviam em meio a fezes, em situações deploráveis de higiene, de modo que o local exalava forte odor, descrito pelos policiais como “ar incapaz de ser respirado”.

Havia ainda comida jogada no chão, misturada com fezes e água suja. Além disso, os animais encontravam-se em espaços tão pequenos que mal conseguiam se locomover.

Antecedente

A situação encontrada em um dos endereços – no bairro Alto da XV, na capital – já era objeto de ação judicial proposta pelo MPPR. A partir de ação civil ajuizada pela Promotoria de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente (autos 0064395-31.2010.8.16.0001), a ré já estava proibida de receber e abrigar animais em área urbana, bem como de promover sua realocação.

Penas previstas na Lei de Crimes Ambientais

Com o oferecimento da denúncia, o Ministério Público requer a condenação da ré às penas previstas na Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/1998): reclusão de dois a cinco anos (com possibilidade de aumento de um sexto a dois terços por tratar-se de crime continuado) mais multa e proibição da guarda dos animais.

Processo número: 0000194-70.2023.8.16.0196 (em sigilo)

Fonte: Assessoria de Comunicação do MP/PR

Lei 14.064/2020 aumentou pena para maus-tratos a cães e gatos

Infelizmente, sempre existiram maus-tratos contra os animais. Contudo, com o advento da tecnologia e o grande alcance das mídias sociais, recentemente, vários casos ganharam repercussão nacional e internacional, como por exemplo, o caso Manchinha, cadela sem raça definida assassinada em 2018, nos arredores de uma das lojas de uma famosa rede de supermercados, em Osasco, São Paulo.

Naquela ocasião, o caso gerou uma onda de protestos pelo Brasil, contra as lojas da rede, e em dezembro de 2018, o Senado apresentou um projeto de lei para aumentar a pena na lei de maus-tratos aos animais.

Em 29 de setembro de 2020, o ex-presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que aumenta as penas para quem maltratar cães e gatos. O crime passa a ser punido com prisão de dois a cinco anos, multa e proibição da guarda, a novidade do projeto.

Esta mudança foi oriunda do Projeto de Lei 1095/19 que alterou a Lei dos Crimes Ambientais (9.605/98).

O autor do projeto, deputado Fred Costa (Patriota-MG), alegou na justificação do projeto que, comumente vemos crimes desse tipo serem cometidos. Não raro, a utilização desses animais possui características de crueldade, exigindo grande esforço físico, que os leva à exposição de doenças, lesões e diminuição da qualidade de vida.

Antes da nova lei ser sancionada, a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 – Lei de Crimes Ambientais, que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, dispunha que a prática de crimes de maus tratos a animais seja punida com crime de detenção:

“Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.§1º Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.§2º A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.”

Ocorre que a detenção é aplicada para condenações mais leves, crimes de menor potencial ofensivo, geralmente de competência do Juizado Especial Criminal e não admite que o início do cumprimento seja no regime fechado, sendo a maior parte das condenações convertidas em penas alternativas.

Como regra geral, a detenção é iniciada em regime aberto ou semiaberto, conforme estabelece o art. 33 do nosso Código Penal.

Dessa forma, ao determinar pena de reclusão, de 2 a 5 anos, para a prática de crimes de maus tratos, este projeto visou aumentar o rigor legal com o objetivo de punir e coibir a prática desses delitos.

A pena de reclusão é aplicada a condenações mais severas, o regime inicial de cumprimento da pena de reclusão pode ser fechado, semiaberto ou aberto, dependendo do quantum de pena efetivamente aplicado na sentença, consoante o disposto no parágrafo 2º do artigo 33 do Código Penal.

Com a nova Lei, em razão da pena máxima ser superior a quatro anos, o agressor será preso em flagrante e só será liberado após audiência de custódia, onde o Juiz poderá ou não fixar fiança.

Portanto, a Lei 14.064/2020 acrescentou o §1º-A ao art. 32 da Lei nº 9.605, com a seguinte redação:

1º-A Quando se tratar de cão ou gato, a pena para as condutas descritas no caput deste artigo será de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, multa e proibição da guarda.

Com a alteração legislativa, outros impactos também são gerados: Impossibilidade de realização do acordo de não persecução penal, assim como da suspensão condicional do processo.

Por não se tratar mais de infração penal de menor potencial ofensivo, a competência será da vara criminal e não serão mais aplicados os benefícios da lei 9099/95.

A depender da pena aplicada, também não será mais aplicável a suspensão condicional da pena, prevista no artigo 77 do Código Penal.

Vale destacar que, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem 28,8 milhões de domicílios com, pelo menos, um cachorro e mais 11,5 milhões com algum gato.

Nesse contexto, os maus-tratos não são casos isolados e distantes do nosso cotidiano. Na verdade, eles são bem mais frequentes do que a gente imagina e, portanto, merecem a devida e justa punição.

LEIA TAMBÉM:

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page