top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

Brasileiro preso em Lisboa carregava carne humana na mala

Brasileiro preso em Lisboa carregava carne humana na mala

Um brasileiro preso em Portugal, foi encontrado com carne humana na mala e documentos falsos. Ele é suspeito de ter assassinado outro brasileiro, que trabalhava como açougueiro em Amsterdã. O suspeito enviou um áudio para um amigo confessando o crime e pedindo ajuda, afirmando que agiu em legítima defesa contra a vítima, que supostamente seria canibal. Leia mais abaixo:

Na Comunidade de Elite, as respostas de muitas dúvidas e inquietações de advogados criminalistas iniciantes passa a ser acessível e possível, de forma clara e rápida. O associado possui acesso a uma área exclusiva e intuitiva, com vários cursos divididos por módulos, temas e aulas, tornando fácil encontrar a resposta para dúvidas corriqueiras e também para as mais complexas. Faça Parte da nossa comunidade CRIMINALISTAS DE ELITE E Transforme A Sua Advocacia Em Menos De Seis Meses!

Associe-se ao Instituto Direito Penal Brasileiro, receba vários benefícios e tenha Acesso por um ano a Todos os Cursos

Caso do brasileiro preso com carne humana na mala

Segundo matéria divulgada pelo G1, de acordo com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), o suspeito pretendia viajar com destino a Belo Horizonte quando foi preso na segunda-feira (27/02).

Ele apresentou um cartão de identidade italiano e portava outros documentos de identificação em nome de terceiros, o que levantou suspeitas no aeroporto de Lisboa.

O jornal português Correio de Manhã divulgou que carne apreendida com o suspeito é humana. Segundo a publicação, o mineiro teria dito isso ao SEF. Diante da suspeita, a carne foi enviada para análise, mas o resultado oficial ainda não foi divulgado.

Ainda nesta semana, a defesa do suspeito afirmou que o mineiro agiu em legítima defesa e que transportou carne humana e documentos na mala para provar sua inocência e fazer a identificação dos envolvidos.

“[A legítima defesa é] comprovada através do agarrar a lâmina com a mão direita para impedir que fosse morto, e a prova continua bem visível na mão direita. Só tentou fugir da Holanda, mais uma vez, para evitar ser morto”, afirmou o advogado contratado pela família do suspeito.

A matéria do G1 destaca que a defesa, contudo, não explicou como o transporte de carne humana provaria a inocência do suspeito. Questionado, o advogado também não explicou por que o cliente temia ser morto, nem por quem.

Em conversa com a reportagem neste sábado (4/3), a mãe do suspeito, disse que o filho está preso em um presídio de Lisboa, após passar por cirurgia na mão e sofrer um ferimento na barriga causado pela briga com Alan.

“O advogado do B. está correndo contra o tempo para montar uma defesa. Como tem o áudio mesmo, a primeira ligação que ele fez para um amigo de Amsterdã ele confessava dizendo o que tinha feito. Meu filho estava apavorado!”, disse a mãe.

Fonte: G1

Estratégias de defesa possíveis do caso do brasileiro preso com carne humana na mala

Diante do caso de um brasileiro preso com carne humana na mala e que confessa o crime, o advogado criminalista deve adotar estratégias de defesa que busquem garantir os direitos do seu cliente e minimizar as consequências legais.

Uma primeira estratégia é avaliar a legalidade da prisão e verificar se houve violações de direitos constitucionais, como o direito ao devido processo legal e à ampla defesa. Caso tenham ocorrido, é possível impetrar um habeas corpus ou outros recursos para buscar a liberdade do cliente.

Outra estratégia é avaliar a confissão do crime e verificar se ela foi feita de forma espontânea e consciente. Se houver indícios de que a confissão foi obtida por meio de coerção, tortura ou ameaças, é possível buscar sua anulação.

Além disso, o advogado deve estudar o caso e buscar argumentos que possam atenuar a responsabilidade do cliente, como alegar problemas mentais ou emocionais que possam ter influenciado o comportamento do acusado.

Por fim, é importante que o advogado tenha uma boa comunicação com o cliente e sua família, esclarecendo todas as etapas do processo e buscando tranquilizá-los diante da situação difícil.

Esse é um caso atípico, porém, muitos casos atípicos podem aparecer em seu escritório, não é verdade? Aos colegas criminalistas que desejam alavancar a sua atuação prática , recomendo a associação à comunidade Criminalistas de Elite do IDPB, uma associação de advogados especializados em direito penal que oferece suporte e capacitação para atuar em casos complexos como este.

Juntos, podemos fortalecer nossa atuação na defesa dos direitos dos nossos clientes e na busca por uma justiça mais justa e equilibrada. Para se associar, acesse AQUI

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page