top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

Como fazer um TCC na prática?

COMO FAZER UM TCC NA PRÁTICA?

Passar pela faculdade de Direito é o maior barato e uma grande experiência de vida. Realmente há uma troca muito grande de ensinamentos, aprendizados, alegrias, frustrações e, acima de tudo, vitórias.

            O conhecimento transborda através dos maravilhosos professores e professoras que passam pelas diversas matérias e especializações impulsionando e materializando sonhos nas mentes de cada aluno e aluna que sonham com uma vida profissional próspera e de muitas realizações.

            No decorrer da faculdade, cada aluno acaba se familiarizando com uma área específica do Direito. Alguns se apaixonam pelo Direito Penal, outros pelo Direito Civil, há aqueles que se enveredam pelo Direito do Trabalho e Previdenciário, os que se vinculam com o Direito Tributário e por aí vai.

      Eu sou Ulisses Pessôa, diretor do IDPB, doutor em Direito, autor de diversas obras jurídicas, advogado consultor e mentor de advogados que pretendem atuar na Advocacia Criminal.

Antes de continuar a leitura, assista o vídeo abaixo:

CONHEÇA O CURSO DE ESCRITA JURÍDICA – CLIQUE AQUI e conheça o curso

            Uma coisa é certa, todo bacharel em Direito precisa escolher e se especializar em uma área específica do Direito para se tornar uma autoridade naquilo que faz e, por via de consequência, ter êxito na sua caminhada profissional.

            Mas para ultrapassar a faculdade, o aluno tem que passar por um momento complicado e desafiador, qual seja, vencer o trabalho de conclusão do curso, o famoso TCC, qua a maioria abomina e acaba por possuir um grande medo e dificuldade na construção da escrita e no alcance do tema.

            E isso acontece também nas pós-graduações e especializações espalhadas por todo o Brasil. Ou seja, o indivíduo passa pela faculdade, torna-se advogado e advogada e o medo em relação ao TCC permanece.

            Muitos travam e não sabem como escrever, como escolher um tema e o que fazer diante do “mistério do TCC”. Por onde começar?  O que ler para iniciar a escrita? Será que escrever é um dom que apenas alguns seres humanos possuem?

            Pois é, não há nada de “mistério” ou dom específico e espiritual que somente alguns seres possuem, mas táticas e estratégias que, se forem bem utilizadas e aprendidas, tornam-se hábitos os quais levam qualquer pessoa a escrever bem um TCC e, até mesmo, um livro.

Gostar de um tema e conhecê-lo

Você gosta de ficar conversando com alguém que não tem intimidade e sobre um assunto de total desinteresse? Você gosta de ficar horas lendo uma coisa que não te agrada? Você teria um relacionamento amoroso com alguém que não te trouxesse um interesse, neste sentido? Pois é, esse é o ponto!

            Para escrever o trabalho de conclusão de curso para graduação ou especialização, escrever uma dissertação de mestrado, escrever uma tese de doutorado ou mesmo o próprio livro ou artigo, tem que ser como um verdadeiro caso de amor, caso contrário, você não sairá do lugar.

            Muita gente pensa que, para escrever alguma coisa, a ideia sai da cabeça na mesma hora. Ledo engano. Escrever o TCC, ou a dissertação, ou a tese, ou a monografia, ou o artigo, ou o livro é como um casamento. Você se casa em uma semana? Claro que não! Primeiro você conhece a pessoa, depois inicia o namoro, celebra o noivado e, finalmente, casa-se. ou seja, existe um processo!

            No desenvolvimento da escrita é a mesma coisa. Você precisa se relacionar com o seu tema. Namore-o, celebre o noivado e, posteriormente, case-se com ele. É assim que acontece. Por isso, não deixe para escolher o seu tema no final da faculdade. Não ingresse no mestrado sem saber seu objeto de pesquisa, não entre no doutorado com dúvidas quanto ao tema, caso contrário, as chances de dar errado são grandiosas.

Pense o tema com antecedência

Também não adianta se relacionar com o assunto se não tem um bom tema, um tema instigante que desperte o próprio interesse em pesquisar e escrever e que desperte o interesse dos outros, ou seja, os leitores.

            O primeiro leitor é o seu orientador. Ele precisa gostar do tema para acreditar que o projeto seja possível e crível. Desta maneira, ele comprará a ideia e ajudará em todo o processo de desenvolvimento. Afinal de contas, essa é a função do bom orientador.

            Outro ponto interessante a ser verificado na escolha do tema é o recorte. Em outras palavras, em hipótese alguma o tema pode ser genérico, muito amplo, muito aberto. Pelo contrário, ele deve ser bem delimitado e especificado, para que haja uma coerência quanto à propositura daquilo que se pretende desenvolver e, consequentemente, investigar.

            Pode ter certeza, um tema genérico não desperta interesse na leitura, na pesquisa e no objeto de investigação. Por isso, saiba fazer um bom recorte para que o seu tema gere interesse, primeiro no seu orientador, depois nos leitores. 

Leia sobre tudo

            Para se escrever bem tem quer de tudo, não, somente, de Direito propriamente dito. Obviamente que o Direito é o “carro chefe” da coisa, mas se você quer escrever bem e com clareza, tem que ler um pouco de tudo.

            A leitura de pontos diferentes nos ajuda a ter uma visão ampla dos assuntos em geral e nos faz aprender, mais ainda, a nossa língua mãe, já que como profissional do Direito, o advogado precisa ser letrado, ou seja, tem que escrever bem.

            Vale ainda lembrar que, atualmente, quanto mais interdisciplinar for o advogado, melhor para escrever e desenvolver teses defensivas, sobretudo, no que diz respeito à atuação na advocacia criminal.

            Aqui no Instituto Penal Brasileiro (IDPB) você encontra o CURSO DE ESCRITA JURÍDICA E CIENTÍFICA PARA ADVOGADOS DE TODAS AS ÁREAS DE ATUAÇÃO. Esse curso potencializará a sua escrita e alavancará resultado para sua advocacia. Afinal de contas, como salienta o Professor Ulisses Pessôa, “quem não é visto, não é lembrado”. 

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page