top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

STJ: Representação da vítima contra autor de violência doméstica não precisa ser confirmada em audiê

Representação da vítima contra autor de violência doméstica não precisa ser confirmada em audiência

A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu, em julgamento sob o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.167), que a audiência prevista no artigo 16 da Lei 11.340/2006 tem como objetivo confirmar a retratação, não a representação, e não pode ser designada pelo juiz de ofício. A realização da audiência só é necessária se houver manifestação da vítima expressando o desejo de se retratar, e isso deve ser trazido aos autos antes do recebimento da denúncia.

A atuação do advogado criminalista em casos da Lei Maria da Penha requer um conhecimento específico e detalhado da Lei 11.340/06, em todas as fases do processo, inclusive em sede recursal. É importante também dominar os entendimentos dos Tribunais Superiores sobre o assunto. Leia mais abaixo:

CURSO AO VIVO DE PRÁTICA NA LEI MARIA DA PENHA – Tudo o que você precisa saber sobre a Lei Maria da Penha, na prática, preparando o advogado para atuação especializada em casos que envolvam violência doméstica e familiar contra a mulher. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS.

Para o colegiado da Terceira Seção do STJ, não há como interpretar que a audiência mencionada no artigo 16 da Lei Maria da Penha seja destinada apenas à confirmação do interesse da vítima em representar contra seu ofensor, pois isso implicaria estabelecer uma condição de procedibilidade não prevista na lei.

Um dos recursos tomados como representativos da controvérsia trata da condenação de um homem em Minas Gerais por ameaçar sua companheira – crime cujo processo depende de representação da vítima, conforme o artigo 147 do Código Penal.

A defesa recorreu da decisão, e o relator do recurso no tribunal estadual entendeu, de ofício, pela nulidade do processo, diante da falta de designação da audiência prevista no artigo 16 da Lei 11.340/2006 – que considerou obrigatória. O Ministério Público de Minas Gerais recorreu ao STJ.

Após o recurso ser qualificado como representativo de controvérsia, a Defensoria Pública da União se manifestou no processo, afirmando que “o poder público revitimiza a vítima ao submetê-la a uma audiência para confirmar a representação, oprimindo e questionando a sua própria vontade já manifestada”.

Não se pode colocar em dúvida o relato da vítima

O relator dos recursos repetitivos, ministro Reynaldo Soares da Fonseca, esclareceu que a discussão diz respeito apenas à hipótese de ações penais públicas condicionadas à representação – o que exclui os casos abarcados pela Súmula 542 do STJ (“A ação penal relativa ao crime de lesão corporal resultante de violência doméstica contra a mulher é pública incondicionada”).

O ministro observou que a intenção do legislador, ao criar a audiência a que se refere o artigo 16, foi minimizar a possibilidade de retratação pela vítima em virtude de ameaças ou pressões.

O relator destacou que questionar a vítima novamente sobre o seu interesse em representar contra o seu agressor pode, até mesmo, agravar seu estado psicológico, na medida em que coloca em dúvida a veracidade de seu relato inicial.

É necessária prévia manifestação da vítima para a realização da audiência

Segundo Reynaldo Soares da Fonseca, “não é raro a vítima estar inserida em um contexto de dependência emocional e/ou financeira”.  Conforme ressaltou, tal circunstância leva a mulher a se questionar se vale a pena denunciar as agressões sofridas.

O relator, ao reafirmar que a audiência não pode ser designada de ofício pelo magistrado, destacou a necessidade de serem atendidas duas condições para a retratação: a primeira é a prévia manifestação da vítima, levada ao conhecimento do juiz, expressando seu desejo de se retratar; a segunda é a confirmação da retratação perante o magistrado, antes do recebimento da denúncia, em audiência especialmente designada para tanto.

Acompanhando o voto do ministro, a Terceira Seção cassou o acórdão que decretou de ofício a nulidade do processo a partir da denúncia, para que o julgamento em segunda instância prossiga com a análise das demais teses defensivas.

Fonte: STJ

Gostaria de se especializar na atuação em casos envolvendo a Lei Maria da Penha? Então não perca a oportunidade de participar do nosso curso ao vivo de Prática na Lei Maria da Penha!

Com carga horária de 20 horas, o curso abordará as particularidades da aplicação da Lei 11.340/06 na investigação, nas fases do processo e em sede recursal, além dos entendimentos dos Tribunais Superiores sobre o tema.

Você contará com a orientação de professores altamente qualificados e poderá tirar todas as suas dúvidas em tempo real. Ao final do curso, receberá um certificado de conclusão que comprovará sua especialização na área.

Não perca a oportunidade de se destacar no mercado e atender seus clientes de forma mais eficiente. Inscreva-se agora no curso ao vivo de Prática na Lei Maria da Penha em nosso site.

CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS.

2 visualizações0 comentário

תגובות


bottom of page