top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

Revisão, a cada 90 dias, da necessidade de manutenção da prisão preventiva – Caso Roberto Jeff

Revisão, a cada 90 dias, da necessidade de manutenção da prisão preventiva – Caso Roberto Jefferson

STF anuncia que, ministro Alexandre de Moraes decidiu, nesta quarta-feira (24), manter a prisão preventiva do ex-deputado federal Roberto Jefferson. De acordo com o ministro, não houve alteração na situação fática que justificou a custódia. Jefferson é réu em ação penal por incitação à prática de crime e por tentar impedir ou restringir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício dos Poderes da União e dos estados, além de calúnia e homofobia. Leia mais abaixo:

CLIQUE AQUI – Curso Completo de Advocacia Especializada em Execução Penal – curso teórico e prático, 100% on-line, com visualizações ilimitadas das aulas, certificado de conclusão e material de apoio, Banco de peças, modelos e jurisprudências, ambiente de dúvidas diretamente com a Professora Cris Dupret, acesso ao incrível ESCRITÓRIO VIRTUAL composto pela CALCULADORA ON-LINE E FICHA DE ATENDIMENTO DIGITAL PERSONALIZÁVEIS, ferramentas que facilitam demais a vida do advogado que deseja se especializar nessa área e muito mais!


Desobediência às medidas cautelares

O ex-parlamentar estava em prisão domiciliar entre janeiro a outubro de 2022, mas a desobediência às medidas cautelares impostas, como conceder entrevistas sem autorização prévia e usar redes sociais, levou o relator a decretar novamente a custódia preventiva.

No cumprimento da ordem de prisão, pela Polícia Federal, Jefferson disparou uma rajada de mais de 50 tiros, além de lançar três granadas contra a equipe.

Código de Processo Penal e a regra do art. 316

A análise do ministro se deu com base em regra do Código de Processo Penal (artigo 316, parágrafo único), com redação dada pela Lei 13.964/2019 (Pacote Anticrime), que exige a revisão, a cada 90 dias, da necessidade de manutenção da prisão preventiva, mediante decisão fundamentada.

Na decisão, tomada na Petição (PET 9844), o ministro afirmou que as inúmeras condutas que levaram à decretação da preventiva de Jefferson podem, inclusive, configurar novos crimes, entre eles os delitos de calúnia, difamação, injúria, de abolição violenta do Estado Democrático de Direito e de incitar publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade.

O relator destacou ainda que a gravíssima conduta do preso, quando efetivada sua prisão, revela a necessidade da manutenção da restrição da liberdade. Ele ressaltou que o ex-parlamentar mantinha em casa armamento de elevado potencial ofensivo, além de vultosa quantidade de munições utilizada para atentar contra a vida de policiais federais que foram cumprir a ordem de prisão.

Fonte: STFRevisão periódica da necessidade da prisão preventiva: o parágrafo único do art. 316 do CPP

Cumpre aqui algumas considerações sobre este tema.

Sabemos que a prisão preventiva é decretada sem prazo determinado. Contudo, a Lei nº 13.964/2019 (Pacote Anticrime) alterou o CPP para impor a obrigação de que o juízo que ordenou a custódia, a cada 90 dias, profira uma nova decisão analisando se ainda está presente a necessidade da medida.

Trata-se do novo parágrafo único do art. 316 do CPP:

CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

Antes do Pacote Anticrime

Depois do Pacote Anticrime

Art. 316. O juiz poderá revogar a prisão preventiva se, no correr do processo, verificar a falta de motivo para que subsista, bem como de novo decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem.

Art. 316. O juiz poderá, de ofício ou a pedido das partes, revogar a prisão preventiva se, no correr da investigação ou do processo, verificar a falta de motivo para que ela subsista, bem como novamente decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem.

Não havia parágrafo único do art. 316.

Parágrafo único. Decretada a prisão preventiva, deverá o órgão emissor da decisão revisar a necessidade de sua manutenção a cada 90 (noventa) dias, mediante decisão fundamentada, de ofício, sob pena de tornar a prisão ilegal.

Vale ressaltar que, o descumprimento do prazo do parágrafo único do art. 316 do CPP NÃO acarreta a liberdade do preso automaticamente.

Sempre importante lembrar o quanto o advogado criminalista precisa estar totalmente preparado para atuar em casos como este. Por isso, deixo aqui o link para você conhecer o Curso Decolando na Execução Penal, onde ensinamos os temas com a metodologia para você alavancar a sua atuação prática. Clique aqui e saiba mais.

O que fazer para elaborar peças, acompanhar o PAD, recorrer, em temas variados, tais como: Progressão de Regime,  Livramento Condicional, RDD, Cometimento de faltas,  Suspensão da Execução Penal e Revisão Criminal.

O conteúdo de direito penal e processual penal é extremamente vasto.

Com isso, a análise da Lei de Execução Penal e de sua aplicação prática fica prejudicada durante a graduação. Mesmo para aqueles que procuram cursos de especialização ou de pós-graduação, o ensino costuma ser teórico, não suprindo a necessidade do conhecimento prático.

Seja para o Advogado Criminalista ou para aqueles que farão prova da OAB ou concursos públicos, esse é um tema que carece de abordagem prática. É justamente esse tipo de abordagem que traremos ao longo do Curso Completo Decolando na Execução Penal.

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page