top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

Falhas no reconhecimento não garante absolvição ao réu que foi perseguido durante sua tentativa de f

Falhas no reconhecimento não garante absolvição ao réu que foi perseguido com monitoramento visual contínuo

Apesar de identificar falhas no procedimento de reconhecimento pessoal de um homem condenado por roubo, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogerio Schietti Cruz negou o pedido de absolvição feito pela defesa, pois, segundo o processo, ele teve monitoramente visual contínuo pelas vítimas e pela polícia ininterruptamente entre o crime e a captura. Leia mais abaixo:

Na Comunidade de Elite, as respostas de muitas dúvidas e inquietações de advogados criminalistas iniciantes passa a ser acessível e possível, de forma clara e rápida. O associado possui acesso a uma área exclusiva e intuitiva, com vários cursos divididos por módulos, temas e aulas, tornando fácil encontrar a resposta para dúvidas corriqueiras e também para as mais complexas. Faça Parte da nossa comunidade CRIMINALISTAS DE ELITE E Transforme A Sua Advocacia Em Menos De Seis Meses!

Associe-se ao Instituto Direito Penal Brasileiro, receba vários benefícios e tenha Acesso por um ano a Todos os Cursos

Monitoramento visual contínuo do suspeito

Apesar de ter encontrado falhas no procedimento de reconhecimento pessoal de um homem condenado por roubo, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Rogerio Schietti Cruz, rejeitou o pedido de absolvição feito pela defesa.

O réu foi perseguido ininterruptamente pelas vítimas e pela polícia desde o momento do crime até sua captura, o que constitui um elemento probatório válido, junto com outras provas, para afastar a hipótese de inocência.

Embora o reconhecimento tenha sido realizado informalmente pelas vítimas dentro da viatura policial, sem observar os procedimentos do artigo 226 do Código de Processo Penal (CPP), o monitoramento visual contínuo do suspeito durante a perseguição é considerado válido pelo magistrado.

Segundo o processo, três indivíduos, incluindo uma adolescente, assaltaram um ônibus e roubaram pertences dos passageiros. Um dos passageiros suspeitou que a arma usada no roubo fosse de brinquedo e perseguiu os criminosos com a ajuda da polícia. Um dos assaltantes foi capturado em conjunto com a adolescente, enquanto o terceiro conseguiu fugir.

O reconhecimento dos suspeitos capturados foi feito pelas vítimas no interior da viatura que conduziu todos até a delegacia. Embora o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro tenha considerado esse procedimento de reconhecimento válido, o ministro Schietti ressaltou que o mesmo viola o artigo 226 do CPP e, portanto, perde força probatória.

Exibição informal de suspeitos viola CPP e perde força probatória

O ministro Schietti lembrou que, ao julgar o HC 598.886, em 2020, a Sexta Turma passou a considerar que os procedimentos previstos pelo artigo 226 do CPP para o reconhecimento de pessoas não constituem mera recomendação, mas verdadeira norma de observância obrigatória pela autoridade policial, cujo descumprimento pode, inclusive, gerar a nulidade do ato.  

No ano passado, a Sexta Turma avançou na análise da matéria e fixou o entendimento de que, mesmo se realizado em conformidade com a norma do CPP, o reconhecimento pessoal, embora seja válido, não tem força probatória absoluta; se, porém, for realizado fora dos preceitos legais, deve ser considerado inválido e não pode ser usado nem mesmo de maneira suplementar (HC 712.781).

Com base na jurisprudência, para o relator, não seria possível admitir o reconhecimento realizado pelas vítimas no interior da viatura policial e sem a observância mínima dos procedimentos legais, como a colocação do suspeito ao lado de pessoas com características físicas semelhantes.

“Exibições informais de suspeitos, sem que se cumpra aquele mínimo roteiro normativo disposto no artigo 226 do CPP, facilitam sobremaneira os falsos positivos e, por isso, perdem qualquer serventia probatória”, destacou.

Relatos de testemunhas confirmam que suspeito nunca deixou de ser monitorado

Embora tenha considerado falho o reconhecimento pessoal, Rogerio Schietti apontou que a reconstrução dos fatos não deixa dúvidas de que, entre o início da fuga – quando o acusado desceu do ônibus na companhia dos comparsas – e o instante em que foi capturado, ele nunca saiu da vista de seus perseguidores.

Segundo o ministro, a perseguição realizada pelo passageiro chamou rapidamente a atenção dos transeuntes e dos policiais, o que permitiu a configuração do chamado flagrante impróprio.

“Muito embora nada tenha sido encontrado com o réu, todos os pertences roubados estavam em poder da adolescente que circulava pela mesma localidade e que, no momento da captura, conversava com o ora paciente como se já se conhecessem antes. O controle visual do paciente durante toda a extensão temporal de sua tentativa de evadir-se respalda com suficiência a sua condenação”, concluiu o ministro ao negar o habeas corpus.

Fonte: STJ

Junte-se à Comunidade de Criminalistas de Elite no Instituto Direito Penal Brasileiro hoje mesmo! Compartilhe suas ideias, aprenda com os outros e faça networking com profissionais experientes no campo do direito penal. Acesse o site do IDPB e torne-se membro da associação hoje mesmo. Não perca a oportunidade de expandir sua rede profissional e aumentar seus conhecimentos no campo do direito penal! CLIQUE AQUI.

0 visualização0 comentário
bottom of page