top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

Como atender um cliente criminal?

Como atender um cliente criminal?

Como atender um cliente criminal? Quando advogados criminalistas iniciam a sua carreira, essa é umas das dúvidas que surgem sobre a prática na Advocacia Criminal. Recebo muitas perguntas envolvendo o tema, e no artigo de hoje, resolvi trazer dicas rápidas e práticas sobre o atendimento ao cliente. Vamos lá?

Eu sou a Cris Dupret, presidente do IDPB, advogada criminalistas com experiência de quase 20 anos nessa área. No IDPB, coordeno alguns cursos voltados para a prática na área criminal como o Curso de Prática na Advocacia Criminal, onde ensino aos meus alunos aspectos importantes para a sua atuação na prática penal, como o atendimento ao cliente.

Curso de Prática na Advocacia Criminal te ensina desde os aspectos mais básicos como o atendimento ao cliente, até as atuações mais complexas como a sustentação oral. E ele está com uma condição imperdível! Para ter acesso vitalício ao curso CLIQUE AQUI e ao fazer sua matrícula, escolha o acesso vitalício – ao invés de 1 ano de acesso, você poderá acessar enquanto o curso existir!

Comunidade Criminalistas de Elite – (CLIQUE AQUITenha acesso aos Cursos de Prática na Advocacia Criminal, Curso Completo de Direito Penal, Curso de Leis Penais Especiais, Curso de Marketing Jurídico, Prática na Jurisprudência Criminal, além de acessar todas as aulas ao vivo, podcasts e integrar um grupo de whatsapp com interação entre advogados de todo o Brasil.

Como atender o cliente criminal da forma mais adequada?

Eu sei o quanto é desafiador iniciar na Advocacia Criminal do zero e ter dúvidas básicas como essa sobre o atendimento ao cliente. Já passei por isso e me lembro o quanto eu me sentia insegura nos primeiros atendimentos e o quanto eu desejava ter orientações sobre como proceder em determinadas situações práticas.

Isso porque, vários detalhes da prática criminal, infelizmente, não aprendemos na faculdade. Por esse motivo que o surgimento dessas dúvidas e inseguranças são extremamente comuns entre os Advogados Criminalistas iniciantes na prática penal.  

Na verdade, acabamos aprendendo esses detalhes importantes com a experiência do dia a dia, ou através de troca de experiências com colegas Advogados a mais tempo. Foi exatamente como aconteceu comigo na época. Fato é que, alguns desses detalhes da prática penal fazem toda a diferença na sua Advocacia Criminal.

Hoje, escolhi conversar com você sobre a importância de como atender o seu cliente da forma mais adequada e como coletar dele todos os dados importantes para a construção da sua defesa.

Ressalto, entretanto, que cada profissional constrói uma forma de atendimento ao cliente que seja mais conveniente e adequada para si e seu escritório. Por isso, não pretendo esgotar o tema aqui e nem dizer que a forma que vou ensinar é a única forma correta. Mas, é a forma que eu trabalho e venho desenvolvendo no escritório, aprimorando, e espero que seja útil para você também.

É certo que, a qualidade da tese defensiva que você será contratado a elaborar, irá depender de vários fatores. Inicialmente, se já existe um processo ajuizado, você deverá consultá-lo, tirar cópias e estudá-lo, de forma minuciosa, para analisar todos os detalhes daquele caso concreto antes do atendimento.

Entretanto, muitas vezes, o que você irá alegar ou as testemunhas que você irá arrolar, vai depender da narrativa dos fatos feita pelo próprio cliente no momento do primeiro atendimento. Portanto, são muitas variantes que depende de cada caso concreto, ok?

Como atender o cliente na Advocacia Criminal

Nesse ponto, trago aqui três dicas importantes para você adotar no momento do atendimento ao seu cliente, independente do caso concreto. Portanto, são dicas genéricas que podem ser adotadas em todos os casos que surgirem no escritório.

A primeira dica é, caso o seu cliente dê o consentimento, grave o áudio do atendimento. Isso pode facilitar a sua prática penal, pois você poderá escutar o áudio no momento da elaboração da peça processual, te ajudando a lembrar dos detalhes do caso.

Além disso, escutando o áudio e analisando o caso com mais calma, você poderá escolher as melhores testemunhas a serem arroladas, se esse for o caso, e as melhores estratégias para a defesa daquele caso específico.

A segunda dica, que também é bastante válida, é que você peça ao seu cliente que ele escreva a narrativa dos fatos e todos os detalhes que ele acha importante lhe contar.

Se possível, dê a ele 3 (três) dias para esta tarefa. É óbvio que, se você não tiver esse tempo disponível, por conta de prazos processuais a serem cumpridos, peça urgência.

Se houver tempo, peça que ele escreva em um dia e leia no dia seguinte. Desta forma, ele pode lembrar de outros detalhes importantes que, enquanto escrevia, não veio a sua memória. Lembrando que, muitos desses detalhes podem ser de extrema importância para o caso, como em uma prova documental ou testemunhal que será produzida, por exemplo.

A terceira dica diz respeito a um atendimento de qualidade. Não esqueça que um cliente satisfeito é sinônimo de boas indicações e fidelização! De mais a mais, um atendimento de qualidade contribui para a construção de uma boa imagem e de uma boa reputação profissional.

Desta forma, não cometa o erro de negligenciar seu relacionamento com o cliente. Seja paciente e atencioso no atendimento ao seu cliente. Escute o que ele tem a dizer.

Após, procure retornar as ligações e responder os e-mails e mensagens o mais breve possível e sempre de maneira completa e atenciosa.

Seja sempre diligente para não permitir nenhuma arbitrariedade administrativa para com ele, caso ele já esteja em uma unidade prisional.

Sempre mantenha seu cliente bem-informado sobre o andamento processual. Essa atitude passa uma imagem de zelo e preocupação com o caso e ajuda a evitar cobranças desnecessárias e repetidas.

Assim, quando você desenvolve um trabalho diferenciado perante seu cliente, estando sempre à disposição dele e da sua família para esclarecimentos ou dúvidas, se mostrando compreensivo com as dificuldades apresentadas, isso vai fazer com que a sua forma de trabalhar repercuta de forma positiva e você conquiste outros clientes.

Não se esqueça que a Advocacia Criminal envolve a análise aprofundada de tudo que aconteceu naquele caso concreto, seja o estudo do processo, caso ele já exista, ou da investigação que foi realizada, seja em sede policial ou se foi o caso de uma investigação defensiva. Não importa. O essencial é que você estude o conteúdo referente ao caso, para que você possa desenvolver, da melhor forma possível, todas as suas teses possíveis a favor do seu cliente.

Em suma, é importante que você verifique quais são as regras daquele estabelecimento prisional que irá atender o seu cliente, antes mesmo de se deslocar até ele. E para evitar transtornos desnecessários, entenda e cumpra as normas de segurança.

Bom, essas são breves dicas de como atender o cliente na Advocacia Criminal e espero assim ter te ajudado!

Caso tenha interesse em nosso Curso de Prática na Advocacia Criminal, clique aqui para conhecer todos os conteúdos e vantagens que oferecemos.

4 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page