top of page
  • Foto do escritorDario Alexandre

Atenção: STF irá decidir se fuga de blitz, para encobrir outro delito, configura crime

STF irá decidir se fuga de blitz, para encobrir outro delito, configura crime

O Supremo Tribunal Federal (STF) irá discutir a possibilidade ou não de se criminalizar a conduta de quem descumpre ordem de parada, em atividade de policiamento ostensivo de segurança pública, com o objetivo deliberado de ocultar delito anterior, tendo em conta a garantia constitucional contra a autoincriminação. A matéria é objeto do Recurso Extraordinário (RE) 1400172, que teve, por unanimidade, a repercussão geral reconhecida (Tema 1.242) pelo Plenário Virtual. Leia mais abaixo:

A Pós-graduação do Instituto Direito Penal Brasileiro é inovadora, pois une a teoria necessária à prática, que é fundamental para o exercício da Advocacia Criminal.

O aluno do Curso de Pós-graduação, além de obter ao final do curso a certificação reconhecida pelo MEC,  terá a possibilidade de entender todos os aspectos da atuação prática do advogado criminalista, aprendendo a escolher o nicho adequado de atuação, captação de clientes, precificação, fechamento de contrato, acompanhamento de flagrante, realização de audiência de custódia, atuação no processo penal e em fase recursal. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS.

Informações destacadas do caso – fuga de blitz

No caso concreto, um homem que havia acabado de roubar um carro desobedeceu a ordem de parar numa blitz realizada pela Polícia Militar. Posteriormente foi preso e condenado, em primeira instância, pelos crimes de roubo (artigo 157, caput, do Código Penal) e desobediência (artigo 330 do mesmo código).

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC), porém, o absolveu do crime de desobediência, por entender que a fuga do bloqueio policial, naquelas circunstâncias, seria compatível com o princípio constitucional da não autoincriminação, segundo o qual ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo.

Mas esse entendimento foi modificado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que, ao julgar recurso especial do Ministério Público, afastou a absolvição do segundo crime sob o fundamento de que a recusa à ordem de parada na blitz caracterizou o crime de desobediência, já que o direito à não autoincriminação não é absoluto, não podendo ser invocado para a prática de delitos em série.

O STJ julgou o caso sob a sistemática dos recursos repetitivos.

Não autoincriminação

Em sua manifestação, a presidente do STF, ministra Rosa Weber, apontou que várias ações no Supremo tratam da controvérsia sobre o alcance do direito à não autoincriminação. Segundo ela, a partir do entendimento do STJ sobre a matéria, cabe ao Supremo definir a interpretação a ser conferida ao artigo 5º, inciso LXIII, da Constituição Federal, segundo o qual o preso será sempre informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da família e de advogado.

Relevância social e jurídica

A ministra Rosa Weber apontou ainda que a questão transcende os interesses individuais das partes, apresenta relevância do ponto de vista social e jurídico e tem expressivo potencial de multiplicidade.

Por essas razões, ela se pronunciou pelo reconhecimento da repercussão geral. O mérito da controvérsia será julgado pelo Plenário da Corte, e ainda não há data definida.

Processo relacionado: RE 1400172

Fonte:  STF

Se você tem interesse em se especializar em Advocacia Criminal e está procurando uma Pós-graduação em prática na Advocacia Criminal que atenda todas as vantagens acima e muitas outras, conheça a nossa Pós-graduação do IDPB, 100% virtual, com professores convidados renomados, com o ensino estratégico e focado na prática, reconhecida pela MEC, com disponibilização de amplo material de apoio, acesso à Biblioteca digital Saraiva, com TCC opcional e duração de 6 meses! Clique aqui.

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page